Internacional

Petróleo chega a subir mais de 5% com conflito entre Israel e Hamas; o que esperar para a commodity com guerra no radar?

InfoMoney, 09/10/2023
09/10/2023 10:32
Visualizações: 420

Os preços do petróleo registram uma sessão de alta depois que o ataque surpresa do Hamas a Israel no sábado e a extensão do conflito trouxeram instabilidade renovada ao Oriente Médio.

Mais de 1.100 pessoas morreram desde que o conflito entre Israel e o grupo militante Hamas eclodiu no fim de semana. Os futuros do petróleo negociados nos EUA (WTI) subiram até 5,4% em Nova York, chegando a atingir os US$ 87 por barril.

Às 7h55 (horário de Brasília) desta segunda-feira (9), o contrato futuro do WTI para entrega em novembro subia 3,82%, a US$ 85,95 o barril, enquanto o brent para dezembro avançava 3,69%, a US$ 87,70.

Embora o papel de Israel no fornecimento global de petróleo seja insignificante, o conflito ameaça envolver tanto os EUA como o Irã. Este último tornou-se uma importante fonte de petróleo extra este ano, aliviando o aperto dos mercados. O aumento da aplicação de sanções americanas a Teerã poderia restringir esses embarques.

Qualquer retaliação contra Teerã -- uma vez que há relatos de que ajudou a planear os ataques -- pode colocar em risco a passagem de navios pelo Estreito de Ormuz, um canal vital que o Irã já ameaçou fechar anteriormente.

Autoridades de segurança iranianas ajudaram a planejar o ataque do Hamas, informou o Wall Street Journal, citando altos membros do grupo militante e do Hezbollah. Os EUA, entretanto, disseram que estão transferindo um grupo de ataque de porta-aviões para o Mediterrâneo oriental e a aumentar os seus esquadrões de caça na região. O Irã negou na segunda-feira que estivesse envolvido nos ataques.

"Neste estágio, a resposta dos preços que se viu é bastante compreensível e proporcional, apenas em termos de colocar um pouco de prêmio de risco", disse Marcus Garvey, chefe de estratégia de commodities do Macquarie Group Ltd., em uma entrevista à Bloomberg TV. "As pessoas traçarão paralelos com a Guerra do Yom Kippur, no início dos anos 1970, que é provavelmente, com o embargo seguinte, o seu caso extremo. É bastante plausível que não tenha nenhuma interrupção significativa."

O aumento dos preços após os ataques adicionou uma nova onda de volatilidade a um mercado que sofreu oscilações consideráveis no último mês. No fim de setembro, o brent estava em vias de subir para US$ 100 por barril, à medida que os cortes da Arábia Saudita e da Rússia apertavam o mercado, antes de recuar acentuadamente na semana passada, uma vez que as preocupações com o consumo e os fluxos financeiros puxaram os preços para uma descida acentuada.

Os principais indicadores do mercado de petróleo subiram na abertura de segunda-feira, indicando preocupações crescentes com a oferta restrita. A diferença entre os dois contratos de dezembro mais próximos do Brent aumentou em US$ 1,60 por barril em relação ao fechamento de sexta-feira, um movimento significativo.

As hostilidades reduzem as expectativas de que a Arábia Saudita corte ou elimine seu 1 milhão de barris por dia de restrições à produção, disseram em nota os analistas do Citigroup Inc., Ed Morse e Eric Lee. Também crescem os riscos de que Israel ataque o Irã, acrescentaram.

Ainda assim, os analistas do Morgan Stanley disseram numa outra nota que pensavam que o impacto do conflito seria limitado. Por enquanto, não esperam repercussões noutros países, o que significa que haverá um impacto fraco a longo prazo sobre os preços do petróleo bruto.

"Embora o pior cenário de uma guerra regional deva ser mantido em vista, não é o meu caso base", disse Vandana Hari, fundadora da empresa de análise Vanda Insights, com sede em Singapura. "A moderação e as mentes mais calmas prevalecerão, pois só haverá perdedores numa guerra mais ampla."

"Os preços do petróleo e do ouro sobem devido à incerteza. A questão principal é saber até que ponto estes fluxos para refúgios seguros serão duradouros. Existem muito poucos sinais, mas parece que o conflito eclodiu ao longo das linhas de conflito conhecidas, sem um envolvimento incomum e novo de outras partes, ainda que surpreendendo pela sua intensidade significativa. (..) Pelo menos do ponto de vista das commodities, a geopolítica tende a ser um elemento de ruído em vez de uma força fundamental duradoura e impactante. Obviamente que acompanharemos de perto a situação atual, mas acreditamos que, por enquanto, os acontecimentos seguirão muito provavelmente o manual geopolítico habitual", destacou Norbert Rücker, do banco suíço Julius Baer.

Em nota no fim de semana, o Goldman Sachs ressaltou que, reconhecendo o elevado grau de incerteza e nesta fase inicial do conflito, nota-se que não houve qualquer impacto na atual produção mundial de petróleo e que considera improvável qualquer grande efeito imediato no equilíbrio entre a oferta e a procura e nos estoques a curto prazo.

"Continuamos, assim, prevendo que o preço do petróleo Brent suba de US$ 85 por barril na sexta-feira para US$ 100 em junho de 2024", avalia.

Dito isto, a equipe do banco cita duas implicações potenciais dos ataques de sábado que podem pesar sobre a oferta global de petróleo ao longo do tempo.

Em primeiro lugar, o Wall Street Journal informou na tarde de sexta-feira (antes dos ataques) que "a Arábia Saudita disse à Casa Branca que estaria disposta a aumentar a produção de petróleo no início do próximo ano se os preços do petróleo estivessem elevados. O reino reconheceria Israel e em troca obteria um pacto de defesa com Washington, disseram autoridades sauditas e americanas." Na visão do Goldman, a escalada do conflito em Gaza reduz a probabilidade de uma normalização a curto prazo nas relações sauditas-israelenses.

"Continuamos a assumir que a Arábia Saudita anula o corte extra de produção de 1 milhão de barris por dia (mb/d) , anunciado em junho de 2023 e prorrogado até dezembro de 2023, apenas gradualmente até o primeiro trimestre de 2025. Ainda esperamos que a produção de petróleo saudita permaneça estável em 9 mb/d até o primeiro trimestre de 2024, e depois comece a aumentar 0,25 mb/d por trimestre no resto de 2024", aponta.

Juntamente com o declínio nos preços do petróleo nas últimas duas semanas e evidências limitadas de grandes reduções nos estoques comerciais visíveis de petróleo globais nos últimos três meses, os desenvolvimentos deste fim de semana reduzem a probabilidade de uma reversão antecipada dos cortes de produção sauditas, avalia o banco.

Em segundo lugar, o banco acredita que a tendência de redução das tensões regionais antes dos acontecimentos deste fim de semana (conforme ilustrado pela libertação de prisioneiros do Irã e dos EUA em meados de setembro) provavelmente foi um fator importante por trás do aumento da produção de petróleo iraniana durante o ano passado.

"Para contextualizar, a Agência Internacional de Energia (AIE) estima que a produção de petróleo bruto do Irã aumentou quase 0,5 mb/d ano após ano em Agosto de 2023. Com a possibilidade de tensões regionais mais amplas aumentarem como resultado do conflito em Gaza, pensamos que os riscos para as nossas projeções de produção iraniana estão agora inclinados para o lado negativo", avalia.

Newsletter TN

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

20