acesso a redes sociais
  • RSS
  • twitter
tabela de conversão
  • tabela de conversão
Anunciante no Portal Naval
  • anunciar no site
Competição

Futuros fornecedores do Consórcio Villegagnon têm encontro na Firjan

09/11/2018 | 16h11
Futuros fornecedores do Consórcio Villegagnon têm encontro na Firjan
Divulgação Divulgação

Um dos consórcios integrantes da ‘short list’ da Marinha do Brasil para o projeto Corveta Classe Tamandaré (CCT), o consórcio Villegagnon participou na quinta-feira (8/11) da série ‘Como fazer negócios com o Mercado de Petróleo e Gás’. Promovido pela Firjan, o evento conecta os players do mercado, âncoras compradoras com as empresas fornecedoras de produtos e serviços, estimulando a ampliação do volume de vendas no estado do Rio, parcerias e a transferência de tecnologias.

Formado pelo estaleiro Enseada, a Naval Goup e a Mectron, o consórcio Villegagnon apresentou para as empresas do encadeamento produtivo os procedimentos e regras para o fornecimento de produtos e serviços necessários para a construção das quatro Corvetas Classe Tamandaré previstas pela Marinha do Brasil, caso sejam os vencedores do processo licitatório. O projeto proposto pelo Consórcio é o da Corveta da Classe Gowind, que já está em uso pela Marinha do Egito e pela da Malásia.

Diretor-presidente da Naval Group, Eric Berthelot considerou oportuna a reunião com as empresas nesse momento, já que agora o consórcio está na ‘short list’. “Estamos oferecendo um navio que já existe e foi testado. Temos que adaptá-lo por conta da evolução tecnológica e as especificidades do projeto brasileiro. Com isso, precisamos aumentar nossos parceiros. A Firjan é uma parceira estratégica na abertura desse diálogo com as demais empresas”, afirmou Berthelot.

Presidente do estaleiro Enseada, Maurício Almeida destacou a importância de estimular os fornecedores a apresentarem propostas factíveis de conteúdo local. Segundo ele, os primeiros contatos ficaram abaixo das expectativas do consórcio. “O conteúdo local não é apenas um critério da nossa proposta, mas sim uma premissa de trabalho. É importante que os fornecedores acreditem no projeto e apresentem propostas reais de conteúdo local e não apenas preço”, acrescentou Almeida.

Participaram ainda do encontro o diretor de Desenvolvimento de Negócios do Enseada, Ruffo Chiconelli; o diretor de Contratos da Mectron, Flávio Fonseca; e a gerente de Suprimentos e Conteúdo Local da Naval Group, Alice Oliveira, que, ao lado de Berthelot e Almeida, responderam a diversas perguntas dos empresários de distintos segmentos.

“Com essa série de encontros, queremos conectar os fornecedores das empresas demandantes de produtos e serviços, promovendo a atividade industrial no nosso estado. É uma ação onde grandes compradores apresentam seus requisitos de contratação, suas demandas, assim como esclarecem dúvidas das empresas fornecedoras, ajudando a criar novas possibilidades de negócios”, apontou a gerente de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, Karine Fragoso.

Divulgação

Conteúdo local

O diretor de Novos Negócios do Enseada informou que as cotações serão feitas pelo estaleiro para o EPC da plataforma, enquanto a Mectron será responsável pelo desenvolvimento dos componentes e integração de sistemas e combate. Ruffo afirmou ainda que a estratégia de construção da embarcação é ser montada integralmente no país e que o consórcio está aberto para ajudar na concretização das parcerias, até mesmo se necessário na transferência de tecnologia com empresas internacionais.

Já o diretor-presidente da Naval Group disse que além da compra de equipamentos, o projeto é de longo prazo com a previsão de manutenção das embarcações. A gerente de Suprimentos e Conteúdo Local da Naval Group informou que o conteúdo local será calculado e avaliado seguindo a metodologia do BNDES. “Se o conteúdo local aferido foi menor que 30%, de acordo com esta metodologia, isso conta como 0%. De 30% a 60%, como 50% e acima disso, como 100%. Desta forma, precisamos que as empresas se empenhem a fazer o ‘algo a mais’ para alcançarmos, juntos, esses percentuais.”

Entre os variados equipamentos e serviços necessários para a execução do projeto da Corveta Classe Tamandaré, o consórcio destacou geradores diesel, caixas redutoras, leme e máquina do leme como produtos que podem agregar o conteúdo local. Há também painéis elétricos, cabos elétricos, botes infláveis de casco rígido e turco, portas e escotilhas, sistemas de ar condicionado, válvulas, compressores de ar, bombas de incêndio além dos equipamentos de combate e gerenciamento da plataforma: comunicação, sensores, radares, consoles, equipamentos computacionais e de rede, entre outros.

Os fornecedores interessados em participar do projeto podem entrar em contato com o consórcio pelos e-mails: alice.oliveira@br.naval-group.com, newton.spinelli@enseada.com, anegocia@odebrecht.com e rooney@odebrecht.com .

Fonte: Redação/Assessoria Firjan
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar
separador menu